Economia do Golo
O desporto é a nossa paixão e a escrita o nosso vicio. Sempre dispostos a conjugar as duas artes, na certeza de uma junção sempre feliz... ousem descobrir!

O White Paper Britânico Para Colocar os Adeptos no Centro do Jogo

Tratar-se-á de um documento importantíssimo, tendente a regular o bom funcionamento do futebol inglês.

Falamos do denominado White Paper, criado pelo Governo britânico, e que, desde logo, criou um organismo regulador independente que terá a tarefa de supervisionar as contas dos clubes ingleses até à Liga Nacional, ou seja a quinta liga de futebol do país, correspondendo (mas apenas por ordem de categoria) aos nossos distritais.

Como se afirma no longo memorando publicado no site oficial do governo britânico, o principal objectivo desta nova instituição é colocar os adeptos novamente no centro do futebol, tendo os clubes que provar que têm um modelo financeiro sólido, que terá de ser aprovado, a fim de se registarem na liga.

Além disso, será defendido o direito dos adeptos a participar nas decisões que irão afectar a história do clube, tais como quaisquer alterações ao emblema ou às cores do clube que não deverão entrar em conflito com a história do clube, para que estes sejam protegidos dos desejos dos novos proprietários que irão assumir o controlo nos próximos anos. Além disso, no caso de uma mudança para um novo estádio, ou de grandes obras para as instalações existentes, estas terão de ser aprovadas primeiro pelo regulador, tornando-se o envolvimento dos adeptos uma parte fundamental antes de tal processo estar ou não concluído.

Além disso, serão introduzidas verificações mais rigorosas e com a devida diligência às contas e activos de quaisquer novos proprietários estabelecidos para adquirir clubes de futebol ingleses, tendo estes últimos que apresentar um plano financeiro que deve ser primeiro aprovado pelo regulador independente como requisito impreterível para a conclusão da aquisição do clube. Uma situação que a Premier League, em particular, teme que regulamentos semelhantes desencorajem o investimento do estrangeiro.

Mas para além dos aspectos financeiros, a parte mais importante do documento reside na possibilidade do regulador impedir os clubes ingleses de participarem em novas competições que não cumpram os critérios pré-estabelecidos, em consulta com a FA e os adeptos. Tais critérios poderiam incluir medidas para impedir que os clubes participem em competições independentes de circuito fechado que prejudiquem o jogo nacional, tais como a Superliga Europeias.

Poder para os adeptos, contas em ordem, financiamento e planos de gestão que devem primeiro ser aprovados pelo regulador. O futebol inglês está efectivamente a entrar numa nova era, que, segundo o anúncio do governo, se tornou necessária após as falências de clubes históricos, como Bury e Macclesfield Town, que faliram devido a má gestão. Estes clubes estão entre os 64 casos em que emblemas inglesas foram colocados sob administração judicial desde 1992, data em que Premier League foi lançada.

“Mais recentemente, em 2021”, pode ler-se no press release oficial, “os planos para uma Superliga Europeia independente por parte de um grupo selecto de clubes da Premier League e outros clubes europeus de elite foram arquivados após condenação pública generalizada e acção por parte do governo e das autoridades futebolísticas. Continua a haver um sério risco financeiro nas ligas. Apesar do sucesso global do futebol inglês, a dívida líquida combinada dos clubes da Primeira Liga e do Campeonato atingiu 5,9 mil milhões de libras no final da época 2020/21”.

“Na mesma época, a liga atingiu uma média de 125 por cento de rácio de salários, o que significa que os clubes estavam a gastar muito além das suas possibilidades, e nos últimos meses vários clubes de todas as ligas não conseguiram atingir a paridade orçamental. No ano passado, o Derby County FC viu-se à beira da falência e as recentes descobertas indicam que as coisas continuam a piorar em todas as ligas.”

A nota conclui que “como parte do seu amplo mandato, o regulador também será incumbido:

Assegurar que os proprietários dos clubes demonstrem boas práticas financeiras básicas, disponham de recursos financeiros adequados e protejam os principais activos do clube;
Melhorar a governação através da introdução de um Código de Corporative Governance para os clubes de futebol;
Permanecer proporcionado e adaptável na sua abordagem com controlos e equilíbrios incorporados na sua concepção.

Em paralelo com a publicação do “White Paper” o governo anunciou também uma revisão completa do funcionamento do actual sistema de vistos para futebolistas estrangeiros que são comprados por clubes ingleses, para assegurar que estes elevam o nível do futebol britânico, assegurando ao mesmo tempo um apoio adequado aos jovens jogadores domésticos. Será, agora, iniciado o processo de envolvimento e novas consultas com as partes interessadas sobre as reformas-chave estabelecidas no documento.

Para acompanhar….

Leave a comment